quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Lixa para os Dentes

Essa história foi extraída da carta informativa de um casal de missionários da base da JOCUM de BH, Maarten e Michele. O Maarten trabalha na Casa Luzeiro e a Michele, sua esposa, trabalha com a ETED (Escola de Treinamento e Discipulado) e moram aqui na comunidade.


Você já parou na frente do espelho e pensou em mudar algo em você, no seu corpo para melhorar a sua aparên­cia? Quem nunca pensou em algo assim?!
As vezes, temos a tendência de não levar muito a sério o que as crianças falam ou pensam sobre elas mesmas, sobre a aparência, pois são “apenas crianças.”
Mas, assim como nos importamos com a aparência, as crianças também se importam.
Na rua onde moramos temos vários meninos entrando na adolescência, e quase todos os dias encontramos com essa turminha.
Dentre essa turminha tem o “Pedro”, ele tem 11 anos, mora com a mãe, dois irmãos, duas irmãs e o padrasto.
“Pedro” na realidade é mais conhecido como “Dentinho”, é o apelido que ganhou dos “amigos”, devido a um pro-blema nos dentes. O maxilar é bem para fora, ele quase não conseguia permanecer com a boca fechada, e isso não somente o afetava esteticamente, mas, muito emo­cionalmente.
“Pedro” é um dos meninos que mais chama a nossa aten­ção, devido ao seu comportamento. As vezes o seu com­portamento não condiz com a sua idade, parece ter mais do que 11 anos. O cuidado que ele tem com os irmãos mais novos, a educação com a qual conversa e recebe correção. Isso é bom, mas, ao mesmo tempo é preocu­pante, pois ele precisa aproveitar e viver cada fase por vez.

Fomos visitar o “Pedro” e sua família, e nessa visita descobrimos que ele estava tentando corrigir os dentes com uma lixa de unha. Sua mãe nos contou que ele en­trava no banheiro para lixar os dentes.
É até engraçado tentar imaginar essa cena, mas, ao mesmo tempo ficamos tocados com a situação, e pen­samos como poderíamos ajuda-lo com esse “problema”.
Ouvimos um pouco mais sobre ele e sobre a história da sua família, mas, na nossa mente havia ficado a cena que sua mãe nos contou, da “lixa dos dentes”.
Não poderíamos pagar um tratamento para ele, mas, fo­mos embora e pensamos bastante sobre isto, oramos para que Deus nos desse uma luz diante dessa situação.
Decidimos entrar em contato com pessoas que tem fa­miliares, amigos, conhecidos dentistas, para conseguir o tratamento para o “Pedro”.
Finalmente, depois de tantas ligações conseguimos um contato que estava disposto a analisar e a dar o trata­mento para ele.
É interessante como Deus faz as coisas, a dentista que se dispos a pegar o caso do “Pedro” era alguém que nós não tínhamos vínculo algum, nem mesmo a conhe-cíamos.
Esperavamos ter um retorno de pessoas com a qual tí-nhamos algum contato, conhecimento, relacionamento, mas, Deus nos surpreendeu novamente, nos mostrou que as soluções e quem toca nos corações, é ELE.
O “Pedro” ficou MUITO feliz quando recebeu a notícia de que ganhara o tratamento totalmente gratuito.
Foi muito legal ver o cuidado, paciência e carinho com a qual a dentista o tratou e o trata.
E o resultado, o Dentinho verá futuramente, mas, nós já vimos o resultado. Como???
Durante o início do tratamento, o “Pedro” comentou conosco que ele estava muito feliz de ver como Deus foi tão bom com ele. De tocar no coração de alguém para cuidar dos dentes dele, e sem cobrar nada.
Ele ficou muito grato a Deus, e conseguiu ver que Deus se preocupa com ele e com suas emoções.
E nós, ficamos surpresos de ver que um pequeno gesto fez tão grande diferença na vida do “Pedro”.
E agora, ao ser chamado de “Dentinho”, não tem tanto impacto em sua vida o quanto havia antes.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Escola Integrada

Como o Tijs van den Brink (ex diretor da Casa Luzeiro) diz, "A comunidade é muito dinâmica e o trabalho é dinâmico, está sempre mudando. Você precisa estar atento à essas mudanças e mudar a forma do trabalho." Isso é a mais pura verdade. O trabalho que era feito há dez anos atrás, pode facilmente não funcionar hoje de jeito nenhum. Quem trabalha com um centro comunitário precisa estar atento à essas mudanças.
Por muitos anos a Casa Luzeiro trabalhou com grupos de crianças que poderiam ser divididos por faixas etárias, gêneros, interesses e etc. Mas nos últimos anos começamos a perceber que muitas crianças saíam do grupo logo depois de ter começado. O motivo era a "Escola Integrada", que é um programa do governo em que a escola oferece atividades para as crianças durante o dia todo.
Certa vez, o "Vai e Volta" (projeto que explicarei mais tarde) estava fazendo sua volta pela comunidade,  e encontraram a diretora de uma escola que compartilhou a necessidade de um espaço para as atividades da Escola Integrada. Eles marcaram uma visita e a diretora veio conhecer a Casa Luzeiro. Nascia aí uma parceria com a Escola Municipal Padre Guilherme Peters, que viria a trazer muitos frutos. O trabalho mudou. A Casa Luzeiro acompanhou as mudanças da comunidade!
As crianças começaram a vir uma vez por semana de manhã e a tarde. As atividades são oferecidas pelos próprios missionários da Casa Luzeiro e podem variar entre esportes na quadra e piscina, jogos didáticos, histórias com princípios cristãos que eles podem aplicar na vida deles, filmes, parquinho e muito mais! Em média a Casa Luzeiro atende 45 crianças de manhã e 45 à tarde. Essas crianças participam das atividades aqui por três meses, no final desse tempo, os obreiros fazem uma festinha de despedida com muita brincadeira e comida gostosa. Depois disso um novo grupo vem por mais três meses e assim as crianças vão se revezando para participar das atividades na Casa Luzeiro.
Alguns monitores ficaram impressionados em como os missionários da Casa Luzeiro tinham tanta autoridade sobre as crianças e a partir disso surgiu a idéia de um treinamento para os monitores sobre como lidar com crianças difíceis, oferecido pelos próprios missionários.
Outra atividade que surgiu da parceria com a Escola Integrada é a capelania. Uma vez por semana, dois missionários vão à escola para conversar com crianças que têm um comportamento mais difícil ou sérios problemas de aprendizado decorrente de problemas emocionais. Maarten e Nunes fizeram um curso de capelania há um tempo atrás e logo após esse curso já começaram o atendimento à essas crianças na escola. No começo os próprios professores indicavam os alunos para eles conversarem. Agora eles já têm a confiança dos alunos que por decisão própria os procuram pedindo ajuda. As atividades que eles fazem consistem em conversas, desenhos, brincadeiras educativas e algumas vezes jogos para apenas se divertir. Segundo Maarten, missionário da Casa Luzeiro, as crianças que eles atendem têm apresentados muitas melhoras. Tem o caso de um menino que depois que começou a ser acompanhado por eles, começou a ler - isso aos dez anos de idade! Tem outro caso de um menino que mudou tanto que foi até dispensado do acompanhamento. A mudança em seu comportamento é visível para todos.
O trabalho de capelania tem muita receptividade na escola. Eles podem retirar o aluno da sala durante a aula e recebem muito apoio dos professores. E não é apenas a escola Padre Guilherme que é aberta para esse tipo de trabalho. Segundo Maarten, tem por volta de cinco escolas que estão pedindo esse mesmo trabalho, o único problema é falta de pessoas que possam fazer isso.
Além de todos os benefícios da parceria com a Escola Integrada, o relacionamento da Casa Luzeiro com a parte de cima da comunidade melhorou muito! Não sei se todos sabem, mas uma comunidade é dividida por regiões e a Casa Luzeiro fica na "parte de baixo" da comunidade. Aqui somos muito conhecidos, mas na parte de cima da comunidade, as pessoas não nos conhecem muito bem. A escola Padre Guilherme está situada na parte de cima da comunidade e por causa disso, agora os missionários já são bem conhecidos lá e podem andar tranquilamente por aquela região. Muitas crianças os conhecem e isso facilita o relacionamento com os adultos daquela parte da comunidade. 
No ano passado a Casa Luzeiro ganhou um prêmio de parceiro da Escola Integrada, por causa do traalho realizado junto à Escola Padre Guilherme, o que nos deixou muito felizes! Podemos ver que é um trabalho que pode crescer muito. Só não cresce mais por falta de pessoas para trabalhar com isso. Se tivéssemos pessoal suficiente, poderíamos atender mais escolas durante a semana toda, nos dois períodos. Da parte das escolas temos muita procura e abertura, mas infelizmente não podemos atender a todas. Oremos para que no futuro tenhamos uma equipe bem maior para atender toda a demanda das escolas.

sábado, 24 de setembro de 2011

Gratidão

Há alguns dias atrás escrevi aqui sobre o "Dia de Princesa" que as meninas do grupo de vôlei ganharam de um grupo de cristãos maravilhosos (leia sobre isso aqui).
Em gratidão a eles, as meninas escreveram um cartão. Apesar da simplicidade e dos erros de português, esse cartão passa uma mensagem linda de gratidão. Elas entenderam que foi um presente de Deus que ganharam e que Ele usou a vida de pessoas que nunca as tinham visto antes, para lembrá-las de que são amadas e especiais.


quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Casa Luzeiro na TV - Assista o programa!

Como postei há uns dias atrás, a Rede Super fez um programa sobre a Casa Luzeiro e a base da JOCUM em Beagá (veja post e fotos do dia aqui). Para aqueles que não são de Beagá, ou por alguma razão não puderam assistir, segue logo abaixo o programa dividido em dois vídeos. Confira!


video

Dia de Princesa

Domingo foi um dia muito especial, tanto para um grupo de 13 meninas do grupo de vôlei, quanto para nós, missionários da Casa Luzeiro. O Isaac e o Sergio organizaram um "acampadentro"com as meninas do grupo de vôlei, que eles lideram. Eles prepararam várias coisas com a ajuda de Lisa e Vanessa, também obreiras da Casa Luzeiro. Tudo para ministrar na vida dessas meninas! Elas têm entre 13 e 17 anos, exceto por uma menininha de 7 anos que recisa vir junto com sas duas irmãs, pois não tem ninguém para cuidar dela em casa.
Mas por que domingo foi tão especial? Por que domingo essas meninas receberam um dia de princesa! Graças à uma equipe, que conhecemos por provisão de Deus, mesmo. Até agora não sei dizer como entramos em contato com as 40 e poucas pessoas que vieram aqui no domingo para abençoar esse grupo. Só há uma explicação: Deus! Um grupo de pessoas de igrejas diferentes, que se uniram para abençoar pessoas de comundiades carentes com seus dons, recursos e tempo. Eles nos deram uma lição de amor, comprometimento e esforço, pois muitos deles trabalham duro a semana toda e gastaram seu dia de folga, aqui conosco, trabalhando muito para que essas meninas pudessem ter um dia tão especial. À todos que participaram, nosso muito obrigado! Vocês impactaram nossa vida!
Começamos o dia com um delicioso café da manhã, trazido e preparado pela equipe. Logo depois, levamos as meninas para uma sala onde a Joyce, obreira do L'abri e também trabalhou por 15 anos em uma comunidade carente de Curitiba, falou com as meninas, compartilhando um pouco da sua história e de como ela pode fazer uma escolha pela vida. Ela também mostrou para as meninas como elas também têm uma escolha e podem ser diferentes. Essas palavras foram tão impactantes que as meninas ficaram o tempo todo em silêncio (coisa bem difícil ou quase impossível de acontecer!). Uma delas começou a chorar. Eu a conheço e sei que a vida dela não é fácil, mas como a Joyce disse, ela pode fazer uma escolha e ser diferente! Depois disso, as meninas não conseguiam segurar mais a vontade de começar o dia de princesa. Dividimos elas em diferentes salas, onde foram maquiadas, tiveram os cabelos arrumados e as unhas feitas. Na última sala demos novas roupas para elas e preparamos um estúdio fotográfico onde foram feitas fotos para um book. Elas poderão guardar essas fotos para sempre lembrarem desse dia.
Almoçamos uma deliciosa macarronada, feita pela equipe que trabalhou muito na cozinha sempre com sorriso no rosto! E de sobremesa, salada de fruta. 
Para finalizar, uma das meninas da equipe, a Nickolle, fez uma apresentação de ginástica rítmica, que embelezou ainda mais o dia das meninas. E no grande final, elas receberam um kit beleza, com produtos para elas continuarem cuidando melhor da pele, do cabelo e etc, juntamente com um livrinho de dicas sobre como se cuidar melhor.
Para nós, missionários, é tão bom saber que não andamos sozinhos, mas tem tantos bons cristãos, dispostos a dividir o trabalho conosco. Pessoas que não são chamados para estarem em missões em tempo integral, mas que não ficam de braços cruzados e usam aquilo que têm em mãos para abençoar tanto o Reino de Deus. 
Se você quiser também se voluntariar para atividades na Casa Luzeiro, entre em contato conosco! Toda ajuda é muito bem vinda! E àqueles que vieram, mais uma vez, muito obrigado, em nome de toda a equipe da Casa Luzeiro! Temos toda a certeza que as meninas jamais esquecerão esse dia, pois de forma bem prática elas foram lembradas que Deus se importa com elas.
"O amor é a força mais poderosa que existe." Madre Teresa de Calcutá

























segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Casa Luzeiro na TV

Na semana passada, o programa da Rede Super (canal de TV da Igreja Batista da Lagoinha) "Sempre Feliz", fez uma matéria sobre a Casa Luzeiro. Alguns missionários deram entrevista e também algumas crianças que participam do projeto. Ainda não temos acesso ao programa, mas assim que possível publicaremos aqui o vídeo ou o link! Por enquanto dá uma olhadinha nas fotos feitas pelo Rodolpho, missionário da JOCUM Beagá.

Conversando com as crianças do grupo da Joanne e da Melina


Escolinha de Futebol

Marcelo, missionário da Casa Luzeiro, dando entrevista


Agora é a vez dos meninos falarem

Nunes, nosso professor de natação, e a equipe que ele treina para competições

Henrique, faz parte da equipe que treina para competições de natação. Ele participa dos grupos da Casa Luzeiro há muito tempo!


Luciana, missionária da JOCUM Beagá, falando sobre a conferência "Pare o Tráfico Humano" e o livro de Jeannette Lukasse, "Um grito das ruas"

Rodolpho, missionário da JOCUM Beagá, dando seu testemunho de como foi chamado para missões.

Cida, missionária da Casa Luzeiro, contando sobre sua experiência em missões